Por Paula Napolião

Em 2019, a plataforma Fogo Cruzado registrou 144 pessoas baleadas dentro de residências no Grande Recife – 118 morreram e 26 ficaram feridas. Dos 119 casos, apenas 2 não registraram vítimas. 

A maioria dos incidentes ocorreu no 1º semestre: foram 78 pessoas baleadas nesse período – destas, 60 morreram. Já no segundo semestre do mesmo ano, houve uma diminuição de 18% em relação ao período anterior, quando houve 66 baleados – destes, 58 morreram. 

O município de Recife liderou o ranking de baleados: foram 38 vítimas dentro de residências – destas, 32 morreram. Já em Jaboatão dos Guararapes houve 33 baleados, sendo 25 mortos e 8 feridos; e, em seguida, Paulista registrou 13 baleados – 12 deles, mortos. 

Em relação aos bairros, Candeias (Jaboatão dos Guararapes) apresentou o maior número de mortos em residências: 6 vítimas fatais; O bairro foi seguido de Maranguape II (Paulista), com 5 vítimas fatais; e Jaguaribe (Ilha de Itamaracá), Barra de Jangada (Jaboatão dos Guararapes) e Prazeres (Jaboatão dos Guararapes), com 4 vítimas fatais cada. 

A maioria dos tiroteios/disparos de arma em casa diz respeito a dinâmicas de tentativas de homicídio/execuções – quando o objetivo dos disparos é matar: foram 110 casos com este motivo – 92% do total. Além disso, em 83% dos tiroteios/disparos de arma em residências, as vítimas eram homens – 119 baleados – e 17% mulheres – 25 baleadas.

Apesar de quantitativamente menor, os casos em que as vítimas são mulheres parecem repetir um padrão em que o agressor é alguém próximo. Em junho, Erica da Silva Pereira, de 34 anos, foi morta a tiros dentro de casa em Campo Grande, zona norte do Recife, após uma discussão com o marido. Em agosto, também após discussão com o marido, Karina Gomes, de 37 anos foi baleada no rosto e morreu. Em outubro, homens encapuzados mataram a tiros Dinorah Cristina, de 35 anos, enquanto amamentava o filho de 5 meses. Familiares acreditam que o crime se relacione com uma briga entre ela e o ex-namorado, devido a pensão alimentícia do filho.

Chamam atenção ainda os casos de ex-detentos baleados em casa: foram 14 baleados – todos morreram. 

Em julho, no Bongi, no Recife, Marcio André de Melo, de 30 anos, foi morto em casa na frente de sua família. Em agosto, também no Recife, um homem de 26 anos identificado como Jeferson João Cavalcanti, cumprindo regime de condicional, foi morto a tiros na casa de sua mãe. 

Deixe um Comentário





2 + 11 =