51 vias foram interditadas em decorrência de tiroteios. BRTs e Trens foram afetados 448 vezes

Por Mayara Mangifeste

Em 2019, o entorno de corredores de transporte do Grande Rio foram afetados 1.003 vezes por tiroteios. Quase metade destes impactos (500) se deu nas imediações de rodovias e grandes avenidas. Apesar de ainda alto, houve uma queda de 32% na influência do fluxo dos corredores de circulação em relação a 2018: foram 1.472 naquele ano.

Vale frisar que um mesmo tiroteio pode ocorrer próximo a mais de uma via ou rota e impactar mais de um módulo de transporte ou via, como ocorreu no dia 3 de outubro de 2019: um intenso tiroteio no Complexo da Pedreira, em Costa Barros, na zona norte do Rio, interditou a circulação de trens e metrô. A Avenida Martin Luther King Jr. também foi fechada e o tiroteio terminou com 3 mortos e 6 feridos, entre eles o militar do Exército Jonas Ferreira de Souza. Ele estava voltando para casa quando ficou no meio do tiroteio, sendo atingido por uma bala perdida

Transporte Público

Entre os modais de transporte público mais afetados por tiros em suas imediações, está o BRT e suas linhas, com 250 registros. Em seguida vem os trens da Supervia (198), metrô (48), e VLT (7). 

Os casos têm motivos diversos. Em julho, por exemplo, Rafael Rodrigues, 25, foi baleado na perna em frente a estação Botafogo do Metrô. De acordo com a Polícia Militar, Rafael foi ferido por um homem que saía do transporte e teria suspeitado que havia um assalto em curso e disparou. Ele fugiu em seguida. Já em agosto, uma disputa entre traficantes no Complexo da Pedreira, em Costa Barros, fechou temporariamente a estação Engenheiro Rubens Paiva, na Pavuna. Na ocasião, sete ônibus foram queimados, 4 pessoas foram mortas e 6 foram feridas. Entre os feridos, 2 foram vítimas de balas perdidas: um militar do exército que voltava pra casa e um jovem de jovem de 18 anos que jogava bola na comunidade quando começou o tiroteio.

Vias sob tiros

A BR-101 (que inclui parte da Avenida Brasil) lidera o ranking com 164 tiroteios/disparos de arma em um raio de 100 metros de suas imediações. Em, seguida vem a RJ-104 (39) – antigamente conhecida como Rodovia Amaral Peixoto, que liga Niterói a Itaboraí;  RJ-085 (34) – que faz a conexão entre São João de Meriti a Duque de Caxias e RJ-105 (29), popularmente conhecida como Estrada de Madureira. Foi na BR-101, em 21 de agosto de 2019, que 3 pessoas foram mortas e 1 ficou ferida após tiroteio durante uma ação policial na rodovia. 

O Fogo Cruzado mapeou ainda 39 tiroteios/disparos de arma de fogo que interromperam a circulação de trens e BRT em 2019, no Grande Rio. Ao todo, foram 38 horas e 12 minutos horas de interrupção de rotas. 

Para fazer estudo, foi considerado um raio de 100 metros das vias, de modo a calcular o impacto no fluxo de cada via ou linha de transporte. O desenho das vias foi obtido através da plataforma MP em Mapas e inclui Rodovias, Linhas Expressas, Ramais de Trem, Linhas de VLT, a parte não subterrânea da Linha 2 do metrô e os trajetos de BRT.

Veja lista completa clicando aqui.



Deixe um Comentário





12 + 7 =