Bairro foi o mais afetado pela violência armada este mês

“Tia, como a gente vai saber onde estão os tiros?”. Foi essa pergunta que uma criança fez à professora durante intenso tiroteio na Praça Seca, Zona Oeste do Rio, no último dia 19 de março. A Escola Municipal Sobral Pinto está localizada no Morro da Barão, também conhecido como Morro do São José Operário, que só em março concentrou 89% dos tiroteios registrados no bairro. 

Ao contrário da professora, que disse não saber de onde vinham os tiros, o Instituto Fogo Cruzado sabe e mapeou 37 tiroteios/disparos de arma de fogo que ocorreram na Praça Seca, sendo 33 deles no Morro da Barão. Outros 2 tiroteios aconteceram na Favela Bateau Mouche (Batô), 1 na Favela da Chacrinha e 1 fora de favelas da região.

Com forte presença de milicianos da Zona Oeste da cidade, o bairro figurou entre os mais afetados pela violência armada no mês de março. Por 11 dias consecutivos, entre os dias 9 e 19 de março, moradores da Praça Seca testemunharam tiroteios.

O mês em dados

Em março, Instituto Fogo Cruzado mapeou 609 tiroteios/disparos de arma de fogo na Região Metropolitana do Rio de Janeiro, dos quais em 30% (183) deles houve participação de agentes de segurança pública*. O número de tiroteios foi 37% maior que o acumulado no mesmo período de 2020, quando houve 446 registros. Houve aumento de 43% também nos tiroteios com a participação de agentes de segurança: foram 128 em março de 2020.

Neste mês que passou, 206 pessoas foram baleadas: 94 delas morreram e 112 ficaram feridas. Um aumento de 74% no número de mortos e de 22% na quantidade de feridos comparado a março do ano passado, que somou 54 mortos e 92 feridos.

Em comparação com fevereiro, que teve 380 tiroteios/disparos de arma de fogo, houve aumento de 60% nos tiroteios em março, que somou 609 registros. O número de mortos a tiros foi o mesmo nos dois meses: 94. Houve aumento de 14% no número de feridos, foram 98 fevereiro e 112 em março.

Em março, o dia 17, com 35 registros, teve o maior número de tiroteios/disparos de arma de fogo no mês. Os dias 6 e 27 tiveram o maior número de mortos: foram 7. E os dias 9 e 25, com 8, foram os dias com mais feridos.

Locais afetados

Dos 13 municípios da Região Metropolitana do Rio que tiveram tiroteios no mês de março, os mais afetados foram:

  • Rio de Janeiro: com 357 tiroteios, 42 mortos e 43 feridos
  • São Gonçalo: com 78 tiroteios, 22 mortos e 37 feridos
  • Belford Roxo: com 60 tiroteios, 4 mortos e 10 feridos
  • Duque de Caxias: com 23 tiroteios, 5 mortos e 6 feridos
  • Nova Iguaçu: Com 20 tiroteios e 8 mortos

Já os bairros mais afetados pela violência armada foram:

  • Praça Seca: 37 tiroteios e 1 morto
  • Pauline, em Belford Roxo: 36 tiroteios
  • Vila Kennedy: 24 tiroteios, 3 mortos e 1 ferido
  • Complexo do Alemão: 20 tiroteios e 2 feridos
  • Penha: 17 tiroteios 

Entre as regiões do Grande Rio, a Zona Norte teve o maior número de tiroteios, em contrapartida, o Leste Metropolitano – que concentra os municípios de Niterói, São Gonçalo, Itaboraí, Maricá, Rio Bonito, Cachoeira de Macacu e Tanguá – foi a que mais fez vítimas:

  • Zona Norte: 191 tiroteios, 23 mortos e 22 feridos
  • Baixada Fluminense: 138 tiroteios, 20 mortos e 19 feridos
  • Zona Oeste: 117 tiroteios, 16 mortos e 15 feridos
  • Leste Metropolitano: 114 tiroteios, 32 mortos e 50 feridos
  • Centro: 36 tiroteios, 2 mortos e 4 feridos
  • Zona Sul: 13 tiroteios, 1 morto e 2 feridos

Houve 101 tiroteios em áreas com Unidade de Polícia Pacificadora (UPP), dos quais em 19 deles agentes de segurança estavam envolvidos. Ao todo, 14 pessoas foram baleadas nestes espaços: 7 morreram e 7 ficaram feridas. As áreas de UPP’s mais afetadas foram:

  • Complexo do Alemão: 20 tiroteios e 2 feridos
  • Complexo da Penha: 17 tiroteios
  • Prazeres: 9 tiroteios e 1 ferido
  • Borel: 9 tiroteios
  • Turano: 8 tiroteios, 2 mortos e 1 ferido

As vítimas da violência armada

  • Houve 6 chacinas** na região Metropolitana do Rio em março, que deixaram 21 mortos no total. Em 5 delas houve agentes de segurança envolvidos. Um aumento de 200% na quantidade de casos, de 250% no número de mortos e de 400% na participação de agentes de segurança em comparação com março de 2020, que teve 2 chacinas, 1 delas com presença de agentes, e 6 mortos no total
  • 20 agentes de segurança*** foram baleados no Grande Rio: 10 morreram (1 em serviço, 6 fora de serviço e 3 eram aposentados/exonerados) e 10 ficaram feridos (1 em serviço, 8 fora de serviço e 1 era aposentado/exonerado). O número de baleados é 33% maior que o registrado em março de 2020, que teve 15 baleados, sendo 5 mortos (2 em serviço e 3 fora de serviço) e 10 feridos (7 em serviço, 2 fora de serviço e 1 era aposentado/exonerado).
  • 14 pessoas foram vítimas de balas perdidas**** no Grande Rio: 4 morreram e 10 ficaram feridas. Em comparação com março de 2020, com 7 vítimas (sendo 2 mortas e 5 feridas), o número de pessoas atingidas dobrou. Entre as vítimas deste mês, um idoso de 68 anos foi atingido no braço por uma bala perdida, no dia 10, durante um tiroteio em ação policial no bairro Engenho Pequeno, em São Gonçalo. O idoso estava dentro de casa na Estrada Tenda, quando foi atingido.
  • 5 adolescentes (com idade entre 12 anos e 17 anos) e 5 idosos (com idade a partir de 60 anos) foram baleados no Grande Rio. Destes, 1 adolescente e 2 idosos morreram. No mesmo período do ano passado, 3 crianças (com idade inferior a 12 anos), 2 adolescentes e 2 idosos foram baleados. Destes, 1 criança, 1 adolescente e 2 idosos morreram. Entre as vítimas, uma adolescente de 12 anos e outro de 16 ficaram feridos durante tiroteio na Vila Candoza, em São Gonçalo, no dia 19. 

Acumulado do ano

No período de janeiro até março, o Fogo Cruzado mapeou 1.415 tiroteios/disparos de arma de fogo na Região Metropolitana do Rio de Janeiro: ao todo, 618 pessoas foram baleadas (sendo 305 mortas e 313 feridas). No mesmo período de 2020, houve 1.277 tiroteios/disparos que deixaram 579 baleados (277 mortos e 302 feridos). Em comparação com o período entre janeiro e março de 2020, este ano houve aumento de 11% nos tiroteios, de 10% no número de mortos e de 4% no número de feridos.

* Presença de agentes: Situações em que são percebidas a presença de agentes de segurança durante o tiroteio/disparo. Exemplo: Operação, Ação, Assalto a agentes etc.

** Eventos onde há 3 ou mais mortos civis em uma mesma situação: chacinas – mesmo que o motivo dos disparos seja outro, como: assalto, ataque, operação etc (SSP de SP).

*** Agentes de segurança incluem policiais civis, militares, federais, guardas municipais, agentes penitenciários, bombeiros e militares das forças armadas – na ativa, na reserva e reformados.

**** “Vítima de bala perdida”: a pessoa que não tinha nenhuma participação ou influência sobre o evento no qual houve disparo de arma de fogo, sendo, no entanto, atingida por projétil (ISP).

Deixe um Comentário





vinte − 19 =