Também houve redução nos tiroteios este mês, foram 306

No último mês de 2020, a plataforma Fogo Cruzado registrou 306 tiroteios/disparos de arma de fogo na Região Metropolitana do Rio de Janeiro, 17% a menos que em dezembro de 2019, quando houve 364 tiros. Número de tiroteios este mês foi o terceiro menor registrado em todo o ano de 2020, na frente apenas de agosto (298) e novembro (301). A participação dos agentes de segurança* nesses tiroteios reduziu para quase a metade: foram 73 em dezembro de 2020 e 123 no mesmo período do ano anterior.

Ao todo, 97 pessoas foram baleadas no Grande Rio em dezembro: 43 mortas e 54 feridas. Uma queda de 42% no número de baleados em comparação com o mesmo mês de 2019, quando houve 168 baleados, sendo 95 mortos e 73 feridos. 

Veja mais alguns detalhes sobre a violência armada no Grande Rio em dezembro:

  • O Rio de Janeiro foi o município com o maior número de tiroteios/disparos de arma de fogo em dezembro: foram 162 registros, concentrando 53% dos tiros da região metropolitana (306). Em seguida, ficaram São Gonçalo (54), Duque de Caxias (20), Belford Roxo (19) e Mesquita (9).
  • Em comparação com novembro, quando houve 301 tiroteios/disparos de arma de fogo no Grande Rio, dezembro, com 306 registros, teve aumento de 2% nos tiros. Também houve redução de 33% no número de mortos e de 24% no de feridos: foram 43 mortos e 54 feridos em dezembro e 64 mortos e 71 feridos em novembro.
  • Em dezembro, o dia 25 concentrou o maior número de tiroteios no Grande Rio: foram 20 no Natal. Entre os mortos, os dias 12 e 20 tiveram o maior número de vítimas, foram 5 em cada. E entre os feridos, o penúltimo dia do ano, dia 30, concentrou o maior número de registros (6).
  • A Vila Kennedy, na Zona Oeste, foi o bairro do Grande Rio com o maior número de tiroteios em dezembro: foram 19 registros. Amendoeira, em São Gonçalo, teve 15 tiroteios. Em seguida, vieram Costa Barros (10), Penha (9), Vila Isabel (8) e Penha (8).
  • Houve 47 tiroteios/disparos de arma de fogo em áreas com Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) este mês. Complexo da Penha (7), Complexo do Alemão (6), Borel (5), Macacos (5) e Andaraí (4) foram as áreas mais afetadas.
  • A Zona Norte do Rio, com 103 registros, concentrou 34% dos tiroteios acumulados no Grande Rio em dezembro (306). Em seguida, vem Leste Metropolitano** (73), Baixada Fluminense (71), Zona Oeste (34), Zona Sul (13), Centro (12). A Baixada Fluminense, em terceiro lugar no ranking, foi a região com maior número de mortos (21) e de feridos (20). 
  • Não houve chacinas*** em dezembro, já no mesmo período de 2019, foram 6 casos com 3 ou mais civis mortos em uma mesma situação no Grande Rio, ao todo, 22 civis foram mortos nestas circunstâncias: em todos os casos houve presença de agentes de segurança.
  • 9 agentes de segurança**** foram baleados na Região Metropolitana do Rio este mês: destes, 3 morreram. Entre os mortos, 2 estavam fora de serviço. Entre os feridos: 3 estavam em serviço. Número de agentes baleados é 36% menor que o registrado em dezembro de 2019, quando 14 foram atingidos: sendo 6 mortos. Entre os feridos, 5 estavam em serviço. Entre os mortos: 5 estavam fora de serviço.
  • 7 pessoas foram vítimas de bala perdida***** no Grande Rio em dezembro: 4 delas morreram. No dia 20, o comerciante José Inácio Pereira morreu vítima de bala perdida durante ação policial no Jardim Ambaí, em Miguel Couto, Nova Iguaçu. Número de vítimas este mês é 40% maior que o registrado em dezembro de 2019, quando houve 5 pessoas atingidas por balas perdidas – sendo 3 delas, mortas.
  • Em dezembro, 2 crianças (com idade inferior a 12 anos), 1 adolescente (entre 12 anos e 17 anos) e 2 idosos (com idade a partir de 60 anos) foram baleados no Grande Rio. As 2 crianças morreram. As vítimas eram as primas Emily Victória Silva dos Santos, de 4 anos, e Rebeca Beatriz Rodrigues dos Santos, 7 anos, que morreram vítimas de bala perdida quando brincavam na porta de casa perto das mães, durante ação policial no dia 4, no Barro Vermelho, em Duque de Caxias. No mesmo período de 2019, houve 2 crianças, 2 adolescentes e 1 idoso baleados: destes, 1 criança, 2 adolescentes e 1 idoso morreram.
  • No acumulado do ano – de janeiro até dezembro****** –, houve 4.589 tiroteios/disparos de arma de fogo no Grande Rio. Ao todo, 1.795 pessoas foram baleadas (896 mortas e 899 feridas). No mesmo período de 2019, houve 7.368 tiroteios/disparos, com 2.881 baleados no total – 1.522 mortos e 1.359 feridos –. Este ano teve queda de 38% nos tiroteios, de 41% no número de mortos e de 34% na quantidade de feridos.

* Presença de agentes: Situações em que são percebidas a presença de agentes de segurança durante o tiroteio/disparo. Exemplo: Operação, Ação, Assalto a agentes etc.

** Leste Metropolitano: região que concentra os municípios de Niterói, São Gonçalo, Itaboraí, Maricá, Rio Bonito, Cachoeira de Macacu e Tanguá.

*** Eventos onde há 3 ou mais mortos civis em uma mesma situação: chacinas – mesmo que o motivo dos disparos seja outro, como: assalto, ataque, operação etc.

**** Agentes de segurança incluem policiais civis, militares, federais, guardas municipais, agentes penitenciários, bombeiros e militares das forças armadas – na ativa, na reserva e reformados.

***** “Vítima de bala perdida”: a pessoa que não tinha nenhuma participação ou influência sobre o evento no qual houve disparo de arma de fogo, sendo, no entanto, atingida por projétil (ISP).

****** Dados foram coletados até 9 horas do dia 31 de dezembro, podendo sofrer alteração na soma geral dos tiroteios até 23h59.

Deixe um Comentário





dezessete + vinte =