Região metropolitana do Rio registrou quase 10 mil tiros em 2018

O ano teve média de 26 tiros por dia, resultando em 1.480 mortes e 1.363 feridos

Durante 2018, o Laboratório de Dados sobre violência armada Fogo Cruzado registrou 9.651 tiroteios/disparos de arma de fogo na Região Metropolitana do Rio de Janeiro, uma média de 26 ocorrências por dia, com um total de 1.480 mortes e 1.363 feridos – destes 113 mortos e 221 feridos eram agentes de segurança – Esta categoria abrange policiais civis, militares, federais, guardas municipais, agentes penitenciários, bombeiros e militares das forças armadas – na ativa, na reserva e reformados, etc. 

O ano marcado pela intervenção federal teve 61% de registros a mais em relação à 2017, que encerrou com a marca de 5.992 registros. No período da intervenção (16/02/2018 à 31/12/2018) foram registrados 8.613 tiroteios/disparos de arma de fogo, mais que o total de registros em todo o ano de  2017: 5.993. Em média – neste período – o Grande Rio teve 27 tiroteios por dia, um aumento de quase 57% em relação à 2017, cuja média foi de 16 tiroteios diários. Durante a intervenção 274 agentes de segurança foram baleados, destes 96 morreram.

O balanço de 2018 é composto por uma série de informações que detalham indicadores como: bairros e municípios com mais notificações de tiroteios e disparos de arma de fogo; índices de vítimas fatais e feridos; presença policial durante tiroteios; mortalidade de crianças e idosos; vitimização policial; vítimas de balas perdidas etc.

Alguns destaques:

  • Número total de tiroteios/disparos de arma de fogo no Grande Rio: 9.651
  • Média de tiros por dia: 26.44
  • Número de mortos em decorrência de tiroteios/disparos no Grande Rio: 1.480
  • Número de feridos em decorrência de tiroteios/disparos no Grande Rio: 1.363
  • Dia com mais tiros: 18 de maio (52)
  • Dia com mais mortos: 20 de agosto (18)
  • Dia com mais feridos: 25 de janeiro (19)
  • Mês com mais tiros: agosto (1.013)
  • Mês com mais mortos: março (166)
  • Mês com mais feridos: janeiro (152)
  • Do total de registros (9.651), em 80.35% não houve registros de baleados (7.755)
  • Durante todo o ano de 2018 o Fogo Cruzado registrou 1932 tiroteios/disparos de arma de fogo em áreas com Unidades de Polícia Pacificadora (UPP), o correspondente a 20% do total de notificações em toda a Região Metropolitana (9.651).
  • Os tiroteios em áreas com UPP resultaram em 350 vítimas: 145 mortos e 205 feridos – em 77% dos casos havia presença de agentes de segurança. O Complexo do Alemão, líder do ranking, contabilizou 267 tiroteios, seguido de Cidade de Deus (170), Rocinha (150), Complexo da Penha (123) e Complexo do São Carlos (126).

Confira mais:

O mês de agosto foi o mais violento da série, totalizando 1.013 tiroteios/disparos de arma de fogo que resultaram em 139 mortos e 130 feridos. A capital (5.713) responde por 59% de todos os tiros registrados na região metropolitana, seguido por São Gonçalo (913), Belford Roxo (734) e Niterói (554) e Duque de Caxias (427). O registrado pela cidade do Rio é quase o total registrado na região metropolitana em 2017 (5.993).

Dos bairros com maior número de registros, a Vila Kennedy está no topo. O bairro considerado “laboratório da intervenção”, alcançou 365 tiroteios/disparos de arma de fogo em 2018. A lista de bairros segue com Praça Seca (276), Complexo do Alemão (267), Cidade de Deus (257) e Tijuca (203).

A Zona Norte foi a região do Grande Rio com o maior número de tiroteios: 2873, o equivalente a 30% do total de registros em toda a Região Metropolitana. Em segundo lugar está a Baixada Fluminense com 2273 registros, seguida da Zona Oeste, com 1875 notificações.

A Baixada Fluminense apresentou o maior número de mortos por tiros em 2018: foram 518 registros, ou seja 35% de todas as mortes mapeadas em tiroteios/disparos de arma de fogo na Região Metropolitana durante o ano  de 2018 (1480).

Os bairros da Baixada Fluminense com mais registros de tiroteios/disparos de arma de fogo em 2018 estão localizados no município de Belford Roxo. São eles: Redentor (76), São José (63), Gláucia (57), Piam (49) e Bom Pastor (49). A cidade também ficou no topo do ranking de municípios da Baixada Fluminense com mais tiros: foram 734 registros.

Em 2018, o Fogo Cruzado registrou 1665 tiroteios/disparos de arma de fogo no Leste Metropolitano. São Gonçalo foi o município com maior número de registros da região: concentrou 55% das notificações (913) com 261 mortos – também mais da metade do número total de mortos em todo o Leste Metropolitano (435). Entre os bairros do Leste Metropolitano, o Jardim Catarina, que fica em São Gonçalo, registrou o maior número de tiroteios/disparos do Leste Metropolitano (97).

A região administrativa de Jacarepaguá, na Zona Oeste do Rio registrou 550 tiroteios/disparos de arma de fogo em 2018. A Praça Seca concentrou metade dos registros de toda a região com 276 notificações.

O Fogo Cruzado mapeou 334 agentes de segurança baleados no Grande Rio em 2018: em mais da metade dos casos os agentes estavam fora de serviço (52%). Muitos foram vítimas de roubos ou de tentativas de roubo – 25 mortos e 36 feridos. No ranking de municípios com maior número de agentes de segurança mortos a tiros estão: Rio de Janeiro (58), São Gonçalo (11) e Duque de Caxias (11).

Em 2018 houve um aumento de 63% nos registros de casos com 3 mortos civis ou mais em uma mesma situação, com 253 vítimas fatais. Foram 65 registros com até 8 mortos civis na mesma ocasião mapeados no Grande Rio.

O Fogo Cruzado registrou 38 casos de tiros em residências em 2018. No total, 30 pessoas morreram e 23 ficaram feridas nessas situações – 20 delas atingidas por bala perdida.  

66 vítimas fatais da violência armada em 2018 eram idosos (20), crianças (4) ou adolescentes (42).

O Fogo Cruzado contabilizou quase 430 horas de tiroteios contínuos – com duração igual ou superior a 2 horas, incessantes ou com intervalos curtos (até 30 minutos) – na Região Metropolitana do Rio em 2018. Foram 53 registros com até 5 horas, 18 registros de 5 a 10 horas, 9 entre 10 a 15 horas de duração e 3 registros de tiroteios com mais de 15 horas de duração. No total, foram 83 tiroteios contínuos.

225 pessoas foram atingidas por bala perdida no Grande Rio em 2018 – destas 43 morreram. O município do Rio concentrou a maior parte dos casos com 29 mortos e 121 feridos.

Em shoppings, houve uma redução de 70% nos registros de tiroteios/disparos de arma de fogo em comparação com 2017. Foram 6 casos de tiroteios em shoppings da Região Metropolitana do Rio em 2018, que resultaram em 4 feridos e 1 morto. Em 2017, foram 20 registros, com 5 mortos e 8 feridos – entre os feridos 5 agentes de segurança.

O Fogo Cruzado registrou 31 casos de tiroteios/disparos de arma de fogo decorrentes de roubo de carga no Grande Rio em 2018. Ao todo, 5 pessoas foram baleadas: 1 morto e 4 feridos – entre os feridos 3 agentes de segurança. O número de casos é 49 % menor que o registrado em 2017, que teve 16 mortos e 31 feridos nessas situações.

Dentre o total de tiros registrados em 2018 (9.651) foi possível identificar – através de comunicações de órgãos policiais e imprensa –  o motivo em  2541 casos . Os motivos que mais apareceram foram: Confronto (735), Operação (653), Ação Policial (501), Roubo/Tentativa (406) e Execução (260). Em 2017, o motivo Roubo/Tentativa ficou no topo do ranking com 368 registros.

O Fogo Cruzado mapeou 305 tiroteios/disparos de arma de fogo no perímetro de 100 metros de escolas municipais, estaduais e creches da cidade do Rio em 2018, um aumento de 255% em relação à 2017, que teve 86 registros. Ao menos 170 instituições de ensino públicas foram afetadas durante esses episódios em 2018, um acréscimo de 204% em relação ao ano anterior – em 2017, foram 56 escolas prejudicadas.

O Fogo Cruzado mapeou 342 tiroteios/disparos de arma de fogo no perímetro de 100 metros de escolas municipais, estaduais e creches da Região Metropolitana  em 2018, um aumento de 229% em relação à 2017, que teve 104 registros. Ao menos 194 instituições de ensino públicas foram afetadas durante esses episódios em 2018, um acréscimo de 190% em relação ao ano anterior – em 2017, foram 67 escolas prejudicadas.

A RMR

A Região Metropolitana do Rio de Janeiro, também chamada de Grande Rio, é composta por 21 municípios: a capital fluminense (Rio de Janeiro), 13 na Baixada Fluminense (Duque de Caxias, Nova Iguaçu, Belford Roxo, São João de Meriti, Magé, Mesquita, Nilópolis, Queimados, Itaguaí, Japeri, Seropédica, Guapimirim e Paracambi) e 6 no Leste Metropolitano (Niterói, São Gonçalo, Itaboraí, Maricá, Rio Bonito e Cachoeira de Macacu).  

Segundo o IBGE, em 2018 a população da RMR era de 12.699.743  habitantes, o que representa cerca de 74% da população do estado do Rio de Janeiro.

Deixe um Comentário





dezessete − três =