Skip to content

Baixe o app

Seja um doador para o fogo cruzado

Junho: Baixada Fluminense representou 30% do número de baleados no Grande Rio

Número de vítimas de bala perdida aumentou 50% comparado ao ano anterior

Em junho, a plataforma Fogo Cruzado registrou 667 tiroteios/disparos de arma de fogo na região metropolitana do Rio. Houve uma queda de 20% em relação ao mesmo período de 2018, quando foram registrados 836 disparos. No total, 224 pessoas foram baleadas este mês, destas, 109 morreram. Em junho do ano passado, foram 129 pessoas feridas e 80 mortas por disparos de arma de fogo: um aumento de 7% no número de baleados comparado ao mesmo período do ano anterior.

A Baixada Fluminense representou 30% do número total de baleados no Grande Rio este mês: dos 67 baleados, 36 morreram e 31 ficaram feridos. O Leste Metropolitano – composto por Niterói, São Gonçalo, Itaboraí, Maricá, Rio Bonito, Cachoeira de Macacu e Tanguá – que aparece em quarto lugar no número de tiroteios, com 114 registros, teve 29% do total de baleados: 34 mortos e 31 feridos.

Veja mais alguns detalhes sobre a violência armada no Grande Rio em junho:

  • Este mês, o município do Rio de Janeiro liderou, com 415 registros, o número de tiroteios/disparos de arma de fogo na região metropolitana do Rio. Em seguida vem São Gonçalo (57), Belford Roxo (52), Niterói (50) e Duque de Caxias (29). A capital representou 62% do número de tiros de todo o Grande Rio.
  • Comparado com maio (689), o mês de junho teve uma queda de 3% no número de tiros, foram 667. O número de baleados também diminuiu este mês: foram 224 pessoas baleadas, 17% a menos que o mês anterior (271).
  • A Vila Kennedy se manteve em primeiro lugar no ranking dos bairros do Grande Rio com mais tiros este mês, foram 50 registros. Seguida do Complexo do Alemão (29), Maré (21), Cidade de Deus (18) e Bangu (17).
  • Em junho, houve 121 tiroteios/disparos de arma de fogo em áreas de UPP. O Complexo da Penha lidera o ranking com 32 registros, seguido do Complexo do Alemão (29), Macacos (7), Borel (7), Vidigal (6) e Rocinha (6).
  • A zona norte do Rio representou 38,5% do número de tiros no Grande Rio este mês com 257 registros. Logo depois vem Baixada Fluminense (138), Zona Oeste (115), Leste Metropolitano (114), Zona Sul (25) e Centro (18). Segundo colocado no ranking, a Baixada Fluminense foi a região que concentrou o maior número de baleados, foram 67 no total: 36 mortos e 31 feridos.
  • Este mês foram registrados 7 casos com 3 ou mais mortos em uma mesma situação no Grande Rio: 25 mortos no total. Em 4 destes casos foi registrada a presença de agentes de segurança. Houve uma queda de 14% no número de mortos comparado ao mesmo período de 2018, quando ocorreram 7 casos com 29 mortos no total – 6 deles com presença de agentes de segurança.
  • Houve uma queda de 17% no número de agentes de segurança baleados no Grande Rio este mês em comparação com o junho do ano anterior (24). Foram 20 agentes baleados, destes, 10 morreram e 10 ficaram feridos. No total, 7 foram feridos em serviço, e 7 morreram fora do horário de trabalho. Dos 24 agentes baleados em junho de 2018, 8 morreram fora de serviço, e 7 ficaram feridos durante o trabalho.
  • Em junho, houve um aumento de 50% no número de vítimas de bala perdida no Grande Rio: das 15 pessoas atingidas, 3 morreram. No mesmo período de 2018, foram 10 vítimas: 3 morreram. Entre os casos deste mês, está o do cinegrafista Rafael Santos, de 34 anos, morto dentro de casa por uma bala perdida durante tiroteio no Morro da Coroa, no Catumbi, região central do Rio, no dia 15. Além do cinegrafista, sua irmã Karla Luana Santos, de 38 anos e seu sobrinho Tadeu Santos, 12 anos, também foram baleados, mas sobreviveram. 
  • 1 criança (até 12 anos incompletos), 4 adolescentes, e 2 idosos (a partir de 60 anos) foram baleados no Grande Rio este mês, destes, 3 adolescentes e 1 idoso morreram. Entre os casos está o da estudante Letícia, de 9 anos, atingida no dia 18 por uma bala perdida durante tiroteio após uma tentativa de roubo a um depósito na Favela Beira-Mar, em Duque de Caxias, Baixada Fluminense. A menina, que estava acompanhada de seu primo de 6 anos, ia para a escola quando foi baleada. No mesmo período de 2018, foram 7 adolescentes mortos e 4 feridos.
  • No acumulado de 2019 – janeiro até junho -, houve 4.174 tiroteios/disparos de arma de fogo no Grande Rio. No total, já são 1.512 baleados: destes, 778 mortos e 734 feridos. Houve aumento de 6% no número de baleados em comparação com o acumulado até junho de 2018 (1424).

Deixe um Comentário





dezesseis − sete =

Copy link
Powered by Social Snap