Houve queda de 66% também na quantidade de baleados, foram 100 este mês

No mês de julho, houve 338 tiroteios/disparos de arma de fogo na Região Metropolitana do Rio. Os dados mapeados pela plataforma Fogo Cruzado indicaram uma queda de 52% nos registros em comparação com o mesmo período de 2019, quando houve 697 tiros. A presença de agentes de segurança* nesses eventos também diminuiu 70% este mês: foram 67 registros em julho de 2020 e 222 no mesmo mês de 2019.

Ao todo, 100 pessoas foram baleadas este mês – sendo 56 mortas e 44 feridas. Dado aponta queda de 66% na quantidade de baleados em comparação com julho de 2019, na ocasião, houve 293 baleados – sendo 163 mortos e 130 feridos. 

Veja mais alguns detalhes sobre a violência armada no Grande Rio em julho:

  • Houve 207 tiroteios/disparos de arma de fogo no município do Rio de Janeiro este mês. O município concentrou 61% de todos os tiros da Região Metropolitana, ficando em primeiro no ranking entre os com mais registros. Em seguida, vêm Duque de Caxias (30), São Gonçalo (23), Niterói (18) e Nova Iguaçu (15). A capital fluminense também concentrou o maior número de baleados, foram 41 este mês – sendo 21 mortos e 20 feridos.
  • Em comparação com junho, que teve 321 tiroteios/disparos de arma de fogo, o mês de julho (338) teve aumento de 5% dos registros. Houve aumento de 8% também no número de baleados, foram 100 este mês e 93 em junho.
  • Entre os bairros, a Vila Kennedy, com 23 registros, mais uma vez teve o maior número de tiroteios/disparos de arma de fogo este mês. Em seguida, vem Vicente de Carvalho  (12), Tijuca (11), , Praça Seca (9) e Complexo do Alemão (8). Em quarto lugar no ranking, a Praça Seca, na Zona Oeste, teve o maior número de mortos, foram 4 este mês.
  • Este mês houve 33 tiroteios/disparos de arma de fogo em áreas com Unidade de Polícia Pacificadora (UPP). Complexo do Alemão (8), Borel (7), Andaraí (5), Providência (4) e Complexo da Penha (3) foram as áreas com mais registros.
  • A Zona Norte, com 121 registros, foi a região do Grande Rio com mais tiroteios/disparos de arma de fogo, e concentrou 36% do total acumulado em toda Região Metropolitana do estado (338). Na sequência vem Baixada Fluminense (81), Zona Oeste (59), Leste Metropolitano (50), Centro (18) e Zona Sul (9). Em quarto lugar no ranking com mais tiros, o Leste Metropolitano** teve o maior número de baleados, foram 38 este mês, sendo 19 mortos e 19 feridos.
  • Em julho, houve 4 casos em que 3 ou mais civis foram mortos a tiros em uma mesma situação. Ao todo, foram 13 mortos nestas circunstâncias. Em 3 destes casos houve presença de agentes de segurança. No mesmo período do ano passado, houve 10 casos que deixaram 33 mortos no total, em 8 dos casos houve presença de agentes de segurança. Número de casos este mês diminuiu 60% em comparação com julho do ano passado.
  • 10 agentes de segurança*** foram baleados na Região Metropolitana do Rio em julho: destes, 4 morreram. Entre os agentes baleados, 3 morreram e 2 ficaram feridos quando estavam fora de serviço, e 1 morreu e 4 ficaram feridos durante o posto de trabalho. Número de baleados este mês aponta queda de 47% entre os agentes baleados em comparação com o mesmo período de 2019, quando 19 agentes foram atingidos, sendo 2 mortos e 17 feridos.
  • Em julho, 9 pessoas foram vítimas de balas perdidas**** na Região Metropolitana do Rio: 1 delas morreu. Número de vítimas este mês é 44% menor que o registrado em julho de 2019, quando 16 pessoas foram atingidas (sendo 5 mortas e 11 feridas). Entre as vítimas este mês está José de Oliveira, de 49 anos. O homem, que é comerciante, foi atingido por uma bala perdida em um tiroteio durante ação policial no Morro do Andaraí, na Zona Norte do Rio, no dia 9.
  • Em julho, 1 adolescente (com idade entre 12 anos e 18 anos incompletos) e 7 idosos (a partir de 60 anos) foram baleados na Região Metropolitana do estado: destes, 3 idosos morreram. No mesmo período de 2019, foram 2 crianças, 5 adolescentes e 4 idosos baleados: destes, 1 criança, 2 adolescentes e 1 idoso morreram. Entre as vítimas, está um idoso de 84 anos, atingido no dia 9 no portão de casa, na Rua Araguari, no bairro de São José do Imbassaí, em Maricá, após ser alvo de disparos.
  • No acumulado do ano – de janeiro até julho –, houve 2.943 tiroteios/disparos de arma de fogo que deixaram 1.139 pessoas baleadas (sendo 573 mortas e 566 feridas). Em comparação com os 7 primeiros meses de 2019, quando houve 4.876 tiroteios/disparos que deixaram 1.804 baleados – 940 mortos e 864 feridos –, este ano teve queda 40% nos tiroteios e de 37% na quantidade de baleados.

* Presença de Agentes: Situações em que são percebidas a presença de agentes de segurança durante o tiroteio/disparo. Exemplo: Operação, Ação, Assalto a agentes etc.

** Leste Metropolitano: região que concentra os municípios de Niterói, São Gonçalo, Itaboraí, Maricá, Rio Bonito, Cachoeira de Macacu e Tanguá.

*** Agentes de segurança incluem policiais civis, militares, federais, guardas municipais, agentes penitenciários, bombeiros e militares das forças armadas – na ativa, na reserva e reformados. 

**** “Vítima de bala perdida”: a pessoa que não tinha nenhuma participação ou influência sobre o evento no qual houve disparo de arma de fogo, sendo, no entanto, atingida por projétil (ISP).

Deixe um Comentário





10 + dezessete =