Agora em parceria com o GAJOP, Fogo Cruzado segue monitorando violência armada em Pernambuco

O Laboratório de dados Fogo Cruzado está há pouco mais de um ano atuando na região metropolitana do Recife. Outrora em parceria com o NEPS/UFPE, desde do dia 1º de julho a plataforma opera em parceria com o Gabinete de Assessoria Jurídica às Organizações Populares (GAJOP).

Criada em 1981 com status consultivo especial no Conselho Econômico e Social (ECOSOC) da ONU, o GAJOP hoje compõe a Rede Justiça Criminal, a Plataforma Brasileira de Políticas sobre Drogas, o Fórum Popular de Segurança Pública de Pernambuco e do Nordeste e é signatária da Agenda Nacional pelo Desencarceramento

Em maio de 2019, o Gajop passou a fazer parte – junto com o Fogo Cruzado – da Rede de Observatórios da Segurança, iniciativa que conta com 5 organizações em 5 estados brasileiros cujo objetivo é coletar dados para contribuir com a construção de uma agenda propositiva para políticas de segurança pública no país.

Um ano no Recife

Em abril deste ano, o Fogo Cruzado completou 1 ano de operação na região metropolitana do Recife e já registrou mais de 1.500 tiroteios/disparos de arma de fogo na região – uma média de 4 tiroteios/disparos por dia. Sendo a única fonte de informação da violência armada no Recife, a plataforma já contabilizou mais de 1.500 pessoas baleadas. 
Também em abril deste ano, o Laboratório lançou sua API, uma plataforma de consulta aberta ao nosso banco de dados, se tornando a primeira do tipo no Brasil. Ao se cadastrar, o usuário tem acesso aos nossos dados coletados de tiroteios/disparos, vítima fatais e feridas, presença de agentes, etc, acessa informações sobre a área pesquisada de acordo com o IBGE, tais como densidade demográfica, área e população da região metropolitana do Recife e do Rio de Janeiro e utiliza como fonte para pesquisas e trabalhos.

“Num contexto onde os dados sobre violência letal não são acessados com tanta facilidade pela população, a parceria com o Fogo Cruzado em Pernambuco é um passo significativo para melhorar o controle social e incluir as pessoas na construção de soluções para uma sociedade mais segura. Além do que, enfrentamos um momento em que a circulação de armas com mais facilidade é uma realidade que infelizmente está mais próxima, isso requer nosso olhar mais apurado para os possíveis efeitos”, explica Edna Jatobá, coordenadora executiva do GAJOP e gestora local da plataforma Fogo Cruzado, que mapeia violência armada no Grande Recife.


Deixe um Comentário





dezoito − dois =