A associação de motoristas de aplicativo (AMAPE) diz que o estado é ineficiente na segurança pública  e que as empresas de aplicativo não fazem o que deviam fazer 

Em 2019, 15 motoristas de aplicativo foram baleados no Grande Recife. Só 4 deles sobreviveram. A violência levou motoristas às ruas para reivindicar melhores condições de trabalho e garantia de segurança. Para entender melhor como estes trabalhadores lidam com a situação, o Fogo Cruzado conversou com Thiago Silva, Presidente da Associação de Motoristas de Aplicativo de Pernambuco (AMAPE). 

Silva relatou que assaltos e homicídios são os perigos que mais preocupam motoristas de aplicativo filiados à entidade – e que se sentem sozinhos nisso. “O estado é ineficiente na segurança pública e as empresas não fazem o que deveriam fazer”, desabafou. 

Em entrevista ao Fogo Cruzado, o presidente da AMAPE – que tem mais de mil associados dos aplicativos Uber, 99 e InDriver – relatou que eles apostam no monitoramento em grupos de WhatsApp e uso de apps de geolocalização para manterem contato mais rápido e conseguirem se ajudar ao máximo, assim que preciso. De acordo com a Associação, há mais de 30 mil motoristas rodando em Pernambuco e a violência à que eles estão expostos, demanda esforços urgentes. 

Confira a entrevista: 

Quais são as prioridades da categoria para 2020? 

Reajuste de tarifas, segurança e tocar a frente parlamentar que criamos em Brasília no fim de 2019 [o autor da frente parlamentar é o deputado federal Daniel Coelho, do Cidadania/PE].

Quais horários e situações de maior vulnerabilidade para a Categoria? 

Todos. O estado é ineficiente na segurança pública e as empresas não fazem o que deveriam fazer. 

O que poderia ser feito pelas empresas? 

Políticas conjuntas com o estado. A exemplo de videomonitoramento e botão de pânico, interligado com a SDS. Além disso, cobrança efetiva de resultados. A impunidade estimula novas práticas. Penso que devia existir um destacamento específico para APPS. Uma espécie de especializada para este público, que é ENORME. E o ostensivo deveria ter como foco os passageiros, como sugerimos.

Quais as estratégias para garantia de segurança usadas atualmente pelos motoristas de aplicativos e quais foram solicitadas à Secretaria de Defesa Social?

As estratégias mais  utilizadas pelos motoristas de aplicativo atualmente são:  monitoramento em grupos de WhatsApp, localização em tempo real, uso de apps de geolocalização, rádio para contatos mais rápidos, etc. As estratégias que solicitamos a Secretaria de Defesa Social foram: Criação de fórum permanente com a secretaria e empresas, Uber, 99 e Indriver; Abordagem dos passageiros em todas as blitzes e operações lei seca; WhatsApp Coletivo, para receber demandas de motoristas de aplicativos; Designação de um agente público para atender todas as demandas referentes a crimes envolvendo motoristas de aplicativos; Criação de campanha educativa para divulgação do “Alerta Celular”. 

Vocês têm algum contato com as empresas? Elas dão suporte às demandas da categoria? 

Temos contato com as empresas e na medida do possível eles recebem as demandas. Já os retornos, são lentos.

Quais sãos as ocorrências mais recorrentes de violência denunciadas envolvendo os motoristas de aplicativos?

As ocorrências são diversas. Mas tem MUITO roubo de veículos e o número de homicídios chama atenção.

Deixe um Comentário





6 + 2 =