Nos 2 primeiros meses do ano a média de crianças baleadas era de 1 por semana

O ano de 2020 não começou fácil para as crianças* da Região Metropolitana do Rio. Somente nos 2 primeiros meses do ano, a plataforma Fogo Cruzado registrou 9 baleadas – 1 morreu. Dado representa uma média de 1 criança baleada por semana. Ao todo, até o dia 12 de outubro, Grande Rio já soma 20 crianças baleadas (6 mortas e 14 feridas), número é semelhante ao registrado no mesmo período de 2019, quando, das 20 atingidas, 5 foram mortas e 15 ficaram feridas.

A presença de agentes de segurança** não foi suficiente para impedir que crianças fossem baleadas este ano: ao todo, 5 crianças foram atingidas em tiroteios/disparos de arma de fogo com a presença de agentes – 1 morreu. 2 crianças foram baleadas em áreas de Unidade de Polícia Pacificadora (UPP): todas sobreviveram.

Entre os principais motivos, ações e operações policiais foram responsáveis por deixar 5 crianças baleadas este ano. Ataque a civis também vitimaram outras 5. Homicídio/tentativa de homicídio (2), disparo acidental (1) e guerra – aplicado a casos onde há disputa entre facções, sem a presença de agentes de segurança – (1) completaram a lista de motivos. Outras 6 crianças foram baleadas em situações sem motivação identificada.

Em um ano marcado pela pandemia da Covid-19, ficar em casa não garantiu proteção. 3 crianças foram baleadas quando estavam em casa: 1 morreu.

Das 20 crianças baleadas este ano, 14 foram atingidas por balas perdidas***: 3 delas morreram. 

Regiões mais afetadas

A Baixada Fluminense concentrou quase metade do número de crianças baleadas, foram 9 vítimas na região. Em seguida ficaram Zona Norte (7), Leste Metropolitano**** (3) e Zona Oeste (1). 

Veja a seguir os detalhes sobre todas as vítimas mapeadas pela plataforma:

  • 16/09 – Menino não identificado, 7 anos – atingido em um ataque a tiros durante festa em uma casa na Rua Doutor Sá Rego, no bairro Caioaba, em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense. Outras duas pessoas também foram baleadas.
  • 14/09 – Maria Pétala Arandiba Moreira, 3 anos – Atingida no peito por uma bala perdida quando brincava na porta de casa, na Rua Schiller, em Santa Cruz da Serra, Duque de Caxias, na Baixada Fluminense.
  • 28/08 – Kaio de Souza, 8 anos – Baleado na cabeça na localidade conhecida como Beira Linha, em Guapimirim, na Baixada Fluminense. 
  • 30/06 – Ítalo Augusto de Castro Amorim, 7 anos – Morto após ser atingido por uma bala perdida na Rua Ceci, no Éden, em São João de Meriti, Baixada Fluminense. O menino brincava na porta de casa, quando foi atingido após patrulha policial terminar em tiroteio na região.
  • 28/06 – Rayane Lopes, 10 anos – Morta a tiros durante um ataque a uma festa junina em Anchieta, na Zona Norte do Rio. Além da menina, outras 4 pessoas também foram mortas e 7 ficaram feridas.
  • 25/06 – Kauã Vitor da Silva, 11 anos – Atingido por um disparo acidental quando brincava na porta de casa, na Vila dos Pinheiros, no Complexo da Maré, Zona Norte do Rio.
  • 07/06 – Douglas Enzo Maia dos Santos Marinho, 4 anos – Morto após ser baleado durante a própria festa de aniversário, em Piabetá, Magé, na Baixada Fluminense. O autor dos disparos participava da festa em comemoração aos 4 anos do menino.
  • 02/04 – Adrelany Pacheco de Lima, 3 anos – Atingida na perna por uma bala perdida na Rua Carvalho de Araújo, no bairro Raul Veiga, em São Gonçalo. A menina voltava pra casa com a mãe, quando ficou no meio de um tiroteio durante ação policial na região.
  • 23/03 – Maria Eduarda Pereira da Costa, 8 anos, e menina não identificada, 10 anos – Atingidas por bala perdida no Morro do Rola Bosta, no bairro Piam, em Belford Roxo. A mais nova, Maria Eduarda, não resistiu aos ferimentos e morreu. A origem dos tiros não foi identificada.
  • 06/03 – Menina não identificada, 4 anos – Atingida por uma bala perdida quando brincava na calçada no Morro do Martins, em São Gonçalo. A origem dos tiros não foi identificada.
  • 15/02 – Ketiley Cristine da Silva, 11 anos, e Gabriel Barbosa, 5 anos – Ketiley foi atingida no braço esquerdo por uma bala perdida. Além da menina, um outra criança identificada como Gabriel também foi atingida. O garoto brincava com os dois irmãos (de 12 e 10 anos) e dois primos (de 11 e 9 anos), quando foi atingido no ombro por uma bala perdida durante tiroteio no Morro do Urubu, em Pilares, na Zona Norte do Rio.
  • 15/02 – Raphael Barra Pereira do Nascimento, 6 anos – O menino foi atingido por uma bala perdida quando lanchava com a mãe, no bairro Zumbi, em São Gonçalo.
  • 10/02 – Menina não identificada, 9 anos – Baleada durante festa no bairro Amapá, em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense. Além da menina, outras 5 pessoas também foram atingidas após ocupantes de um carro passarem atirando na direção da festa. 
  • 05/02 – Nicole Mariah Carvalho, 3 anos – A menina foi atingida na perna por uma bala perdida quando saía da igreja com a mãe e a avó, na Rua da Usina, em Bangu, na Zona Oeste do Rio. Além da Nicole, um homem morreu e outro ficou ferido.
  • 27/01 – Arthur Gonçalves Monteiro, 5 anos – O menino foi atingido por uma bala perdida após patrulha policial terminar em tiroteio no Morro do São João, no Engenho Novo, bairro da Zona Norte do Rio. Arthur acompanhava o pai em uma partida de futebol, quando foi atingido na cabeça pelos disparos. Paulo Roberto Monteiro, pai de Arthur, tentou proteger o filho, mas tiro atravessou a mão de Paulo e atingiu o menino.
  • 23/01 – Victor Pietro, 8 anos – Atingido por uma bala perdido quando andava de carro com a família pela Linha Vermelha, no Jardim América, Zona Norte do Rio.
  • 19/01 – Menino não identificado, 11 anos – Atingido por uma bala perdida durante intenso tiroteio em uma ação policial no Morro do Adeus, no Complexo do Alemão, Zona Norte do Rio. O menino jogava bola, quando foi atingido no ombro pelos disparos. Na ocasião, uma outra criança ficou ferida ao ser atingida por estilhaços.
  • 10/01 – Anna Carolina de Souza Neves, 8 anos – Morta ao ser atingida por uma bala perdida quando estava no sofá de casa com os pais, no bairro Parque Esperança, em Belford Roxo, na Baixada Fluminense. A origem dos tiros não foi identificada.

* Criança: com idade inferior a 12 anos (UNICEF)

** Presença de agentes: Situações em que são percebidas a presença de agentes de segurança durante o tiroteio/disparo. Exemplo: Operação, Ação policial, Assalto a agentes etc.

*** Vítima de bala perdida: a pessoa que não tinha nenhuma participação ou influência sobre o evento no qual houve disparo de arma de fogo, sendo, no entanto, atingida por projétil (ISP).

**** Leste Metropolitano é composto por: Niterói, São Gonçalo, Itaboraí, Maricá, Rio Bonito, Cachoeira de Macacu e Tanguá, que fazem parte da Região Metropolitana do Rio juntamente com os 13 municípios que compõem a Baixada Fluminense e a cidade do Rio de Janeiro.

Deixe um Comentário





14 + catorze =