Skip to content

Baixe o app

Seja um doador para o fogo cruzado

Até o dia das crianças, Grande Rio teve 20 baleadas em 2019

Após morte de Agatha Félix, outras 4 crianças foram baleadas

Até o dia 12 de outubro, a plataforma Fogo Cruzado registrou 20 crianças (até 12 anos incompletos) baleadas na região metropolitana do Rio, 5 delas morreram. O dado representa uma queda de 5% no número de crianças baleadas em comparação com o mesmo período de 2018, quando 21 foram baleadas – 3 delas morreram.

Do total de crianças atingidas este ano (20), 11 foram baleadas durante ações policiais – 3 delas morreram. Depois do caso da Agatha Félix, morta aos 8 anos durante ação policial no Complexo do Alemão, mais 4 crianças foram baleadas. 

Em 2019, 14 crianças foram vítimas de bala perdida no Grande Rio, 3 delas morreram. Esse número representa 9% no número total de vítimas de bala perdida registrado este ano (155: sendo 43 mortas e 110 feridas).

Entre as vítimas este ano, 4 crianças foram baleadas quando estavam dentro de casa, 1 delas morreu; 3 delas eram bebês2 deles ainda no útero da mãe -, e 2 estavam a caminho/voltando da escola.

O Rio de Janeiro foi o município da região metropolitana com o maior número de vítimas (14), seguido de São Gonçalo (2) e Maricá, Magé, Itaboraí e Duque de Caxias (1).

Do total de crianças atingidas este ano, 3 foram baleadas em áreas de Unidade de Polícia Pacificadora (UPP): 2 delas morreram.

Veja a seguir os detalhes sobre todas as vítimas mapeadas pela plataforma:

  • 04/10Ângelo Arthur Carvalho, 4 anos, e Isabelly Oliveira Soares, 2 anos, foram atingidos por balas perdidas durante uma operação policial na favela do Dique, no Jardim América, zona norte do Rio.
  • 24/09Um menino de 8 anos, que não teve sua identidade revelada, foi vítima de um disparo acidental ao manusear a arma do pai, que é policial militar, para brincar em Campo Grande, na zona oeste do Rio. 
  • 24/09Vitória Ferreira da Costa, 11 anos, foi vítima de bala perdida durante tiroteio no Morro da Mineira, no Catumbi, região central do Rio. A menina voltava da escola quando foi baleada na perna. 
  • 20/09Agatha Vitória Sales Félix, 8 anos, morta durante uma ação policial na Birosca, no Complexo do Alemão. A menina estava dentro de uma Kombi junto com a mãe no momento em que foi baleada. A família acusa a PM de ter disparado ao tentar acertar um motociclista que passava próximo ao local e não obedeceu a ordem de parada.
  • 15/09Um menino de 8 anos que não teve sua identidade revelada foi baleado ao ficar no meio do fogo cruzado, em Itaipuaçu, Maricá. A criança brincava em um parquinho dentro do conjunto habitacional Minha Casa, Minha Vida quando, segundo moradores, traficantes tentaram invadir o local. A criança foi atingida no braço e tórax, mas sobreviveu.
  • 29/08Lauane Cristina Machado Batista, 7 anos, foi baleada na perna direita na Vila Cruzeiro, no Complexo da Penha, durante um patrulhamento dos policiais da UPP. Ela sobreviveu.
  • 13/08Um bebê de 1 ano e 10 meses que não teve a identidade revelada foi baleado no pé esquerdo na Favela da 48, em Bangu. Ele estava no colo da mãe, que a caminho da Igreja, também foi baleada e morreu. Ela levou 10 tiros ao ficar no meio do fogo cruzado em uma ação da PM no local para “coibir confrontos armados entre grupos rivais”. Outras 2 pessoas foram mortas.
  • 23/07Victor Almeida, 7 anos, foi morto com tiro na cabeça, em Marechal Hermes. Ele e a família foram atacados a tiros em casa. A hipótese para o crime é uma disputa de herança. Sua mãe e irmã também foram mortas. Apenas o pai sobreviveu.
  • 01/07Uma criança de 6 anos, que não teve a identidade revelada, foi baleada no Complexo do Chapadão. Ela não foi para escola porque havia uma operação policial na região e foi atingida quando dançando balé no quintal de casa.
  • 18/06Letícia Tamirez Gazol Ferreira, 9 anos, estava a caminho da Escola municipal Aline Gonçalves, no Parque Beira-Mar, em Duque de caxias, quando foi baleada no tórax e braço. Havia um assalto e a polícia interveio. Além de Letícia, seu primo, de 6 anos, foi ferido por estilhaços; um vendedor de café foi baleado na barriga e 3 pessoas morreram. Letícia sobreviveu.
  • 10/05Kauã Vítor Nunes Rozário, 11 anos, foi morto quando andava de bicicleta no último sábado na Vila Aliança, em Bangu. De acordo com a PM, houve confronto naquele dia. Na ocasião, outras 2 pessoas foram baleadas, entre elas, um mototaxista de 25 anos, que também morreu.
  • 06/05 Uma criança que não teve a identidade revelada foi baleada no Conjunto Esperança, no Complexo da Maré. Em uma super operação para prender o traficante 3N – com uso de helicóptero como plataforma de tiros – foram mortas 8 pessoas. Além desta criança, uma adolescente de 15 anos também foi baleada. Ambos sobreviveram.
  • 20/04M.E.S., 11 anos, foi baleada no pescoço, no Jardim Catarina, em São Gonçalo. Segundo a Polícia Militar, não houve confronto naquele dia.
  • 11/04Filipe Bastos de Souza, 3 anos, foi baleado quando o ex-vereador Darci Gomes dos Santos Filho, Darcizinho, de foi executado, em Magé. A criança estava nas proximidades do carro e foi atingida. Ele sobreviveu.
  • 08/04Anthony foi morto antes de nascer, em Padre Miguel. Gabriele Rodrigues – que estava grávida de oito meses – foi executada, segundo parentes, por seu ex-companheiro, que a chamou na porta de casa, com uma rosa na mão. Levada ao hospital, médicos tentaram salvar o bebê, mas não foi possível.
  • 06/04Um bebê foi baleado na cabeça ainda no útero da mãe, na Favela Terra Nostra, em Costa Barros. A grávida estava sentada na calçada de casa quando foi atingida. Bernardo foi reanimado ao nascer. Não há informações sobre como e de onde partiu o tiro. Ele sobreviveu.
  • 14/02Jenifer Silene Gomes, 11 anos, foi morta com tiro no abdômen, em Triagem. Ela havia chegado da escola e descascava cebolas na porta do bar da família quando foi atingida. Testemunhas contaram que os policiais chegaram ao local pela linha do trem em busca de traficantes e atiraram em direção a um suspeito.
  • 03/02Uma criança de 11 anos, que não teve a identidade revelada, foi baleada no bairro Ampliação, em Itaboraí. A família entrou por engano na favela do Rato Molhado, teve o carro cercado por traficantes, que dispararam contra o carro, atingindo a criança nas costas. Ela sobreviveu.
  • 04/01Uma criança de 10 anos, que não teve a identidade revelada, foi baleada no bairro Galo Branco, em São Gonçalo. Ela foi atingida nas costas, dentro do condomínio onde mora. De acordo com a PM, houve um confronto nas imediações. Ela sobreviveu.

Deixe um Comentário





1 × cinco =

Copy link
Powered by Social Snap