Houve também um aumento de 62% no número de tiroteios/disparos de arma de fogo


Em 6 meses de quarentena, a plataforma Fogo Cruzado registrou uma média de 5 tiroteios por dia na Região Metropolitana do Recife. Foram 927 tiroteios/disparos de arma de fogo.

Em comparação com o mesmo período de 2019 – quando houve 573 tiroteios – estes 6 meses de isolamento representaram um aumento de 62% nos registros. Durante os 6 meses de quarentena, 1050 pessoas foram baleadas (620 mortas e 430 feridas). O aumento mais expressivo em comparação aos mesmos 6 meses de 2019 foi em relação aos feridos; em 2020, este número foi 131% maior  do que no ano passado – que registrou 186 pessoas feridas.

Balas perdidas

Apesar das medidas de isolamento impostas devido ao coronavírus, a população continuou exposta a violência armada. Isto porque houve aumento de 256% no número de vítimas por balas perdidas: 32 pessoas foram atingidas, destas, 4 morreram. Já no mesmo período de 2019, 9 pessoas foram vítimas de balas perdidas – 3 morreram. 

Confira alguns destaques sobre a violência armada nesses 6 meses de quarentena nas regiões do Grande Recife:

  • Entre as 1050 pessoas baleadas durante a quarentena,  58 eram adolescentes (com idade entre 12 anos e 18 anos incompletos) 7 eram crianças (menores de 12 anos) e 7 eram idosos (a partir de 60 anos). Destes, 34 adolescentes, 1 criança e 4 idosos morreram. Entre as vítimas está um adolescente de 13 anos atingido enquanto brincava em uma praça no Morro da Conceição, zona norte do Recife.
  • Nos 6 meses de quarentena, 70 mulheres foram baleadas no Grande Recife – sendo 31 mortas e 39 feridas. Houve ainda 976 homens baleados durante o isolamento, destes, 588 morreram.
  • O número de pessoas baleadas dentro de residências teve uma expressiva variação comparado ao mesmo período do ano passado: 88 pessoas morreram e 20 ficaram feridas nestas circunstâncias – um aumento de 52% no número de mortas e 43% de feridas em comparação com o mesmo período de 2019, quando 58 foram mortas e 14 feridas dentro de casa. Dentre os casos, Edilene Maria da Silva, de 22 anos, surpreendida dentro de casa por homens que já entraram atirandocontra ela. O caso ocorreu na Rua Vera Cruz, na Muribeca dos Guararapes, Jaboatão dos Guararapes.  
  • 7 agentes de segurança* foram baleados no Grande Recife durante a quarentena, destes 4 morreram. No mesmo período de 2019, foram 8 agentes baleados, 3 deles morreram.
  • Houve ainda 4 vendedores ambulantes e 2 motorista de aplicativo baleados no Grande Recife durante a quarentena.
  • 33 pessoas foram baleadas dentro de bares no Grande Recife – 16 morreram e 17 ficaram feridas. Uma briga entre o major da Polícia Militar Dinamérico Barbosa e Ricardo de Queiroz, um agente penitenciário, deixou 3 mortos e 5 feridos em um bar em Boa Viagem, no Recife. Dinamérico e Ricardo ficaram feridos e outras 5 pessoas foram vítimas de balas perdidas – 3 delas morreram.
  • Nestes 6 meses, houve ainda 6 casos com 3 ou mais civis mortos em uma mesma situação, deixando 17 mortos no total. No dia 9 de agosto, uma chacina resultou em 5 pessoas mortas e 12 feridas em Ipojuca.
  • O município do Recife liderou o ranking de tiroteios/disparos de arma de fogo nesses 6 meses de quarentena, com 359 registros, seguido de Jaboatão dos Guararapes (151), Olinda (92) e Cabo de Santo Agostinho (86).
  • No ranking dos bairros mais afetados por tiroteios, Coelhos, no Recife, ocupa o primeiro lugar com 21 tiroteios/disparos, seguido por Muribeca, Jaboatão dos Guararapes (17), Ponte dos Carvalhos, no Cabo de Santo Agostinho e Cohab, Recife, todos com 16 tiroteios/disparos.

* Situações em que são percebidas a presença de agentes de segurança durante o tiroteio/disparo. Exemplo: Operação, Ação, Assalto a agentes etc.

Deixe um Comentário





catorze − quatro =