Isolamento social não foi capaz de conter a violência armada

Após 4 meses de isolamento social devido a pandemia do novo coronavírus, a menor circulação de pessoas não foi capaz de conter a violência: no período de 21 de março (início da quarentena) a 20 de julho, a plataforma Fogo Cruzado registrou 627 tiroteios/disparos de arma de fogo na Região Metropolitana de Recife, um aumento de 44% em relação ao mesmo período do ano passado (434). Chama atenção a grande quantidade de pessoas baleadas: foram 407 mortos e 281 feridos, números que aumentaram 33% e 77%, respectivamente, em relação ao mesmo período de 2019.

No dia 10 de julho, mãe e filho foram baleados dentro de casa em Cruz de Rebouças, Igarassu. Evandro Carlos Francisco Mendes, de 33 anos, foi morto e sua mãe, Josefa Francisca Mendes, de 53 anos, ficou ferida após homens não identificados invadirem a casa das vítimas efetuando disparos. Este caso mostra que mesmo em casa as pessoas continuam vulneráveis à violência armada. Isto porque o número de baleados dentro de residências aumentou 38%: foram 54 pessoas mortas e 11 feridas nestes 4 meses de quarentena – ano passado, neste mesmo período, foram 36 pessoas mortas e 11 feridas. 

Confira alguns destaques sobre a violência armada nesses 4 meses de quarentena:

  • Recife liderou o ranking de municípios com o maior número de tiroteios/disparos de arma de fogo durante os 4 meses de quarentena, com 238 registros; em seguida, Jaboatão dos Guararapes, com 102, e Olinda, com 70 registros. Comparado ao mesmo período do ano passado, Recife, Jaboatão e Olinda tiveram aumento no número de tiroteios/disparos de arma de fogo: 68%, 11% e 84%, respectivamente.
  • No ranking dos bairros, Ponte dos Carvalhos, no Cabo de Santo Agostinho, liderou com o maior número de tiroteios/disparos de arma de fogo durante os 4 meses da quarentena com 16 registros, seguido de Águas Compridas, em Olinda, e Várzea, no Recife, ambos com 13 registros. Em terceiro lugar estão Coelhos e Torrões, também no Recife, com 12 registros cada. 
  • Dentre os baleados, houve 47 mulheres – 20 mortas e 27 feridas. Uma delas, uma adolescente de 17 anos que estava grávida de seis meses e foi morta a tiros junto a um rapaz, que também foi morto, no Alto da Bondade, em Olinda após ocupantes de uma moto passarem atirando contra eles no dia 26 de maio.
  • Ainda, 2 crianças (com idade inferior a 12 anos) e 43 adolescentes (com idade entre 12 anos e 18 anos incompletos) foram baleados – destes, 27 adolescentes morreram. É o caso de Lucas Dias da Silva, de 16 anos, e a mãe Rosângela Francisca Dias, mortos a tiros dentro de casa, na rua Major Guilherme Bonifácio, em Água Fria, no Recife, na manhã de 29 de junho. Os dois estavam dormindo quando foram surpreendidos por homens que entraram atirando dentro da casa onde estavam. Lucas e Rosângela morreram no local. 
  • Neste período, 4 agentes de segurança* foram baleados – destes, 3 morreram. Um soldado da Aeronáutica, identificado como João Miguel, foi baleado dentro da Base Aérea Militar do Recife, localizada no bairro do Jordão, no dia 24 de maio.
  • Apesar das medidas de isolamento, 13 pessoas foram baleadas dentro de bares no Grande Recife – 8 morreram e 5 ficaram feridas. No dia 11 de julho, um homem foi morto e outras 3 pessoas foram baleadas, incluindo uma criança de 3 anos, na Rua 22, na Charneca, Cabo de Santo Agostinho.
  • 14 pessoas foram atingidas por bala perdida – nenhuma morreu. Dentre as vítimas do período de quarentena está uma criança de apenas 2 anos identificada como Ana Gabriela de Lima, atingida nas costas na Rua Jardim Tocandira, em Santa Rita, Igarassu, em 10 de maio.
  • Neste período, foram registrados 3 casos com 3 ou mais civis mortos em uma mesma situação, deixando 9 mortos no total. Em 2019, entre os dias 21 de março e 20 de junho, houve 2 casos que deixaram 6 mortos.
  • 2 motoristas de aplicativo foram baleados durante o período de quarentena no Grande Recife. Uma das vítimas, Rui Pereira Cavalcanti, de 34 anos, foi morto a tiros dentro do carro enquanto voltava para casa, na Rua Arlinda Germano dos Santos, em São Lourenço da Mata. O motorista passava pelo local quando foi abordado por homens em um outro veículo, que desceram atirando contra Rui.
  • 3 vendedores ambulantes foram baleados nesses 4 meses de quarentena no Grande Recife. Melissa de Brito Rocha, de 26 anos, estava grávida de 9 meses e foi baleada enquanto vendia lanches na Rua Doze, em Maranguape I, Paulista, no dia 26 de março. Ela foi socorrida pela mãe que estava próxima ao local. Mãe e bebê sobreviveram.
  • No dia 11 de abril, uma briga entre detentos do Presídio Frei Damião de Bozzano, no Complexo do Curado, em Recife, terminou com 7 baleados – 1 deles morreu. Este foi o segundo tiroteio dentro de presídios no Grande Recife em 2020. 

* Agentes de segurança incluem policiais civis, militares, federais, guardas municipais, agentes penitenciários, bombeiros e militares das forças armadas – na ativa, na reserva e reformados.

Deixe um Comentário





treze − 6 =