Em média, um adolescente foi baleado a cada três dias, segundo Instituto Fogo Cruzado

Nove adolescentes foram baleados na Região Metropolitana do Recife em novembro, segundo dados do Instituto Fogo Cruzado. Em média, um adolescente foi baleado a cada três dias. O número de adolescentes baleados em novembro é menor, comparado com o mesmo período de 2020, quando somente um adolescente foi atingido na Região Metropolitana do Estado.

Para Romero Silva, representante do Instituto Fogo Cruzado em Pernambuco, esses números alarmantes não são apenas um problema da segurança pública, mas também um problema de toda sociedade. “As vítimas são os sintomas de uma politica de segurança que não prioriza a vida e que de forma dolosa reforça que adolescentes e jovens negros e de periferia são matáveis e ninguém irá reclamar”, afirma o pesquisador.

O mês em dados

Em novembro, houve 158 tiroteios/disparos de arma de fogo na Região Metropolitana do Recife, segundo Instituto Fogo Cruzado. O número indica aumento de 18% nos registros em comparação com o mesmo período de 2020, quando houve 134 tiroteios/disparos de arma de fogo.

Entre as 179 pessoas baleadas na Região Metropolitana do Estado em novembro, 113 morreram e 66 ficaram feridas. Em comparação com o mesmo período de 2020, quando 144 pessoas foram baleadas (sendo 93 mortas e 51 feridas), houve aumento de 22% nos mortos e de 29% nos feridos.

Entre as datas mais impactadas pela violência armada em novembro, os dias 4, 14 e 19 concentraram o maior número de tiroteios/disparos de arma de fogo, com 11 registros cada, superando a média de tiroteios diária do mês (6). O dia 14 também teve o maior número de mortos, com 11 vítimas. E os dias 4 e 16 tiveram o maior número de feridos, com 7 vítimas em cada. 

Dos 158 tiroteios/disparos de arma de fogo ocorridos na Região Metropolitana do Recife em novembro, houve mortos em 69% deles (109); 32% deles (51) houve feridos; e somente em 5% deles (8) não houve vítimas.

O mapa da violência

Entre os municípios que fazem parte da Região Metropolitana do Recife, os cinco mais afetados pela violência armada foram:

  • Recife: 62 tiroteios, 43 mortos e 31 feridos
  • Cabo de Santo Agostinho: 27 tiroteios, 20 mortos e 12 feridos
  • Jaboatão dos Guararapes: 19 tiroteios, 17 mortos e 4 feridos
  • Paulista: 12 tiroteios, 9 mortos e 3 feridos
  • Olinda: 9 tiroteios, 4 mortos e 5 feridos

Entre os bairros do Grande Recife, os cinco mais afetados foram:

  • Ponte dos Carvalhos – Cabo de Santo Agostinho: 6 tiroteios, 5 mortos e 3 feridos
  • Ibura – Recife: 6 tiroteios, 3 mortos e 5 feridos
  • Jardim São Paulo – Recife: 6 tiroteios, 2 mortos e 6 feridos
  • Várzea – Recife: 4 tiroteios, 2 mortos e 1 ferido
  • Cajueiro Seco – Jaboatão dos Guararapes: 2 tiroteios e 2 mortos

O retrato da violência em novembro

  • Entre as 113 pessoas mortas na Região Metropolitana do Recife, 97% (110) eram homens e 3% (3) eram mulheres. Entre as 66 pessoas feridas no mês, 92% (61) eram homens e 8% (5) eram mulheres.
  • Houve quatro casos de homicídios múltiplos* no Grande Recife. Ao todo, oito pessoas foram mortas (sete homens e uma mulher). Em novembro de 2020, houve cinco casos que deixaram 12 mortos (10 homens e duas mulheres).
  • Em novembro, 14 pessoas foram baleadas quando estavam dentro de casa: destas, 12 morreram (todos homens) e duas ficaram feridas (todos homens). No mesmo período de 2020, houve 22 baleados dentro de casa: 17 mortos (15 homens e duas mulheres) e cinco feridos (três homens e duas mulheres).
  • Uma criança (com idade inferior a 12 anos) foi baleada na Região Metropolitana do Recife em novembro e sobreviveu. No mesmo período de 2020, houve uma criança e cinco idosos (com idade a partir de 60 anos) baleados: destes, um idoso morreu.
  • Não houve vítimas de balas perdidas** na Região Metropolitana do Recife em novembro. No mesmo período de 2020, quatro pessoas foram atingidas por balas perdidas: todas sobreviveram.
  • Um motorista de aplicativo foi morto a tiros na Região Metropolitana do Recife em novembro. No mesmo período de 2020, um motorista de aplicativo também foi morto a tiros.
  • Em novembro, um vendedor ambulante foi morto a tiros no Grande Recife, assim como no mesmo período de 2020, quando um vendedor ambulante também foi morto a tiros.
  • Neste mês que passou, seis pessoas foram baleadas quando estavam dentro de bares no Grande Recife: metade morreu. No mesmo período de 2020 não houve baleados dentro de bares.
  • Dois agentes de segurança*** foram baleados na Região Metropolitana do Recife: um deles morreu. Em novembro de 2020, dois agentes de segurança foram baleados, mas não resistiram.
  • Três mototaxistas foram baleados no Grande Recife em novembro: todos morreram. No mesmo período de 2020, houve dois mototaxistas mortos a tiros.

Acumulado do ano

Entre janeiro e novembro, o Instituto Fogo Cruzado mapeou 1.575 tiroteios/disparos de arma de fogo na Região Metropolitana do Recife. Ao todo, 1.717 pessoas foram baleadas (1.156 mortas e 561 feridas). Em comparação com o mesmo período de 2020, quando houve 1.573 tiroteios e 1.748 baleados (sendo 1.079 mortos e 669 feridos), houve aumento de 0.1% nos tiroteios, aumento de 7% nos mortos e queda de 16% nos feridos.

SOBRE O FOGO CRUZADO

O Fogo Cruzado é um Instituto que usa tecnologia para produzir e divulgar dados abertos e colaborativos sobre violência armada, fortalecendo a democracia através da transformação social e da preservação da vida. 

Com uma metodologia própria e inovadora, o laboratório de dados da instituição produz mais de 20 indicadores inéditos sobre violência nas regiões metropolitanas do Rio, do Recife e, em breve, em mais cidades brasileiras.

Através de um aplicativo de celular, o Fogo Cruzado recebe e disponibiliza informações sobre tiroteios, checadas em tempo real, que estão no único banco de dados aberto sobre violência armada da América Latina, que pode ser acessado gratuitamente pela API do Instituto.

* Homicídios múltiplos: eventos onde há 2 ou mais mortos civis em uma mesma situação – mesmo que o motivo dos disparos seja outro, como: assalto, ataque, operação etc (SSP de SP). 

** “Vítima de bala perdida”: a pessoa que não tinha nenhuma ligação, participação ou influência sobre o evento no qual houve disparo de arma de fogo, sendo, no entanto, atingida por projétil (ISP).

*** Agentes de segurança incluem policiais civis, militares, federais, guardas municipais, agentes penitenciários, bombeiros e militares das forças armadas – na ativa, na reserva e reformados.

Deixe um Comentário





um × quatro =