São Gonçalo foi o município mais caótico da região em 2020

Por: Olivia Kerhsbaumer 

A violência armada na Região Metropolitana do Rio resultou em 4.589 tiroteios/disparos de arma de fogo em 2020. O Leste Metropolitano – região onde estão os municípios de Niterói, São Gonçalo, Itaboraí, Rio Bonito, Cachoeiras de Macacu, Maricá e Tanguá – acumulou 18% desse total: foram 838 tiroteios/disparos de arma de fogo na região. Apesar desse número representar uma queda de 39% em relação ao ano anterior, a letalidade continua alta: 578 pessoas baleadas (290 mortos e 288 feridos). Em 51% das incidências de tiros não houve vítimas. 

Em 55% dos 838 tiroteios foi possível identificar o motivo dos disparos através de informações veiculadas na imprensa e informes policiais. A maioria foi decorrente de ação/operação policial (260), seguido de tentativa/homicídio (100) e tentativa/roubo (55). 

O número de agentes de segurança baleados no Leste caiu 51% em 2020 em relação ao ano anterior, o que pode ser explicado pela queda no número de ações/operações policiais (-44%).

Gonçalenses na linha de tiro

São Gonçalo foi o município do Leste Metropolitano onde mais houve tiroteios em 2020: 579 – 69% do total. Em seguida estão os municípios de Niterói (188), Itaboraí (39) e Maricá (29). Só em São Gonçalo, 411 pessoas foram baleadas (205 mortos e 206 feridos). Dos 5 bairros que formam o ranking de locais com mais tiros no Leste, 4 são em São Gonçalo: Amendoeira (62), Pacheco (51), Jardim Catarina (47), e Colubandê (23). No 5º lugar ficou o bairro do Ingá, em Niterói, com 23 tiroteios. 

São Gonçalo também foi protagonista em uma triste realidade: quase todos os casos de balas perdidas do Leste foram registrados na cidade. Das 43 vítimas mapeadas pela plataforma Fogo Cruzado na região, 39 foram no município, ou seja, 91% dos casos. Lisete Pereira foi a mais velha destas vítimas. Aos 78 anos ela foi morta por bala perdida dentro de casa em uma tarde de domingo (05/01), no bairro Arsenal. 

Dona Lisete foi atingida por uma bala perdida em São Gonçalo — Foto: Reprodução 

Já a vítima mais jovem tem apenas 3 anos de idade. Adrelany Pacheco de Lima foi ferida na perna, no dia 2 de abril, quando estava indo para casa com a mãe, no bairro Raul Veiga. Ela ficou internada em estado grave, mas sobreviveu. No momento havia um tiroteio decorrente de ação policial na região. 

*Incluem policiais civis, militares, federais, guardas municipais, agentes penitenciários, bombeiros e militares das forças armadas – na ativa, na reserva e reformados. 

Deixe um Comentário





dez − 8 =