21% das vítimas foram atingidas dentro de casa

*Dados coletados até 2 de março de 2021

Desde 2019, a plataforma Fogo Cruzado já registrou 252 mulheres baleadas* em toda Região Metropolitana do Recife: destas, 115 morreram e 137 ficaram feridas. Durante todo esse período, 1 mulher foi baleada a cada 3 dias.

No ano de 2020, houve aumento de 17% no número de mulheres baleadas em relação ao ano anterior. Em 2019, foram 109 vítimas (sendo 47 mortas e 62 feridas). Já em 2020, foram 128 baleadas (61 mortas e 67 feridas). Até o dia 2 de março, 2021 já contou com 15 mulheres baleadas (7 mortas e 8 feridas).

As mulheres foram vítimas da violência armada em diferentes cantos da região metropolitana do estado, sendo Recife o município que vitimou mais mulheres, com 83 delas baleadas. Em seguida, vieram Jaboatão dos Guararapes (39), Cabo de Santo Agostinho (32), Olinda (24) e Paulista (19).

Todas as idades

Ter a idade avançada ou ser menor de idade não impediu que crianças, adolescentes e idosas fossem vítimas da violência. De 2019 pra cá, 13 crianças** foram baleadas na Região Metropolitana do Recife: 3 delas morreram e 10 ficaram feridas.

Entre as vítimas está a pequena Ana Gabriela Lima, de 2 anos. A menina foi atingida nas costas por uma bala perdida na Rua Jardim Tocandira, em Santa Rita, Igarassu, no dia 10 de maio de 2020.

Houve também 19 mulheres adolescentes*** baleadas: sendo 8 delas mortas e 11 feridas. Camila Gabriela Lourenço da Silva, 16 anos, foi baleada no quadril no Jardim Jordão, Jaboatão dos Guararapes, no dia 28 de abril de 2019.

As idosas**** também não foram poupadas. Foram 4 baleadas neste período: todas sobreviveram. Isabel Amara dos santos, de 74 anos, foi atingida por uma bala perdida na Rua José de Farias, no Bongi, Zona Oeste de Recife, no dia 29 de outubro de 2020.

Motivos

Os motivos dos tiroteios que mais deixaram mulheres baleadas foram Homicídio e tentativa de homicídio (161 vítimas: sendo 80 mortas e 81 feridas); Execução (38 vítimas: sendo 24 mortas e 14 feridas); Ataque a civis (18: sendo 15 mortas e 3 feridas); Briga (12: 2 mortas e 10 feridas); e Roubo e tentativa de roubo (11: 3 mortas e 8 feridas).

Vítimas dentro de casa

21% das mulheres baleadas na Região Metropolitana do Recife sofreram as consequências da violência armada quando estavam dentro de casa: ao todo, foram 54 vítimas (32 morreram e 22 ficaram feridas).

Entre as vítimas estavam Gildenice Maria da Silva Souza, de 37 anos, e Dávila Lúcia Lobão Sales de Farias, de 21. As vítimas foram mortas a tiros ao serem surpreendidas após a casa de Gildenice ser invadida no dia 18 de novembro de 2019, no Cabo de Santo Agostinho.

Balas perdidas

Das 252 mulheres baleadas desde 2019, 31 foram vítimas de balas perdidas*****: 4 delas morreram e 27 ficaram feridas. Entre as vítimas estavam Helena Maria da Conceição, Tarcísia Coelho da Silva, de 22 anos, e Maria das Neves Coelho, de 46. Elas foram atingidas durante um tiroteio na Avenida Agostinho Nunes Machado, no município de Itapissuma, no Grande Recife, no dia 16 de outubro de 2019.

* Números com base em informações de imprensa e comunicações oficiais das instituições de segurança em que o gênero das vítimas foi informado.

** Com idade inferior a 12 anos (UNICEF).

*** Com idade entre 12 anos e 18 anos incompletos (UNICEF).

**** Com idade a partir de 60 anos (Estatuto do Idoso).

***** “Vítima de bala perdida”: a pessoa que não tinha nenhuma participação ou influência sobre o evento no qual houve disparo de arma de fogo, sendo, no entanto, atingida por projétil (ISP).

Deixe um Comentário





dez + dezesseis =