Município da Baixada só perdeu para a capital fluminense em número de tiroteios

A violência não descansa durante os feriados: Duque de Caxias teve em média quase um tiroteio por dia no mês de abril, marcado por feriados, segundo o relatório mensal do Instituto Fogo Cruzado. O município ultrapassou São Gonçalo, mais populoso, e se tornou a segunda cidade mais violenta da Região Metropolitana do Rio no mês, perdendo apenas para a capital. 

A violência armada em Duque de Caxias tem várias origens, desde os grupos de extermínio que atuam há décadas na Baixada até as disputas entre facções do tráfico de drogas e milicianos. Mas os tiroteios em abril foram motivados principalmente pelas ações e operações policiais: dos 28 tiroteios em Caxias, nove aconteceram com a presença policial. 

O Complexo da Mangueirinha é um exemplo de como é grave a violência armada na região. Foi lá que o irmão de um agente da Polícia Rodoviária Federal foi brutalmente assassinado no dia 10 do último mês, após ir a uma festa no Corte Oito. Ele foi revistado por traficantes na entrada do evento, e eles acharam uma arma em sua posse. O irmão do agente foi raptado, levado para outra região da favela e morto carbonizado. Um amigo que estava com ele conseguiu ser resgatado.

Horas após a notícia da morte do irmão do agente da PRF, a polícia realizou uma operação no Complexo da Mangueirinha, inclusive com a presença da Polícia Rodoviária Federal, para resgatar o outro refém que permanecia na favela. Os policiais conseguiram retirá-lo com vida, mas houve intenso tiroteio. Moradores afirmaram nas redes sociais que a operação deixou vários mortos na favela. Mas as polícias Civil, Militar e Rodoviária Federal afirmaram que apenas o corpo carbonizado foi encontrado. Dias depois, ainda como consequência da morte do irmão de um agente, um novo tiroteio entre policiais militares e o grupo armado que domina o Corte Oito terminou com um PM ferido.

Outros bairros de Duque de Caxias também foram afetados pela violência. O Centenário está entre os seis bairros da Região Metropolitana do Rio com mais tiroteios em abril – e é o único fora da cidade do Rio. Dos 15 bairros com mais tiros no mês, três estão em Caxias – além do Centenário, Olavo Bilac e Santa Cruz da Serra -, e o restante na capital fluminense.

O Cidade Integrada, ação no qual o governo do estado ocupa favelas, não contemplou, nem na teoria, a Baixada Fluminense – por enquanto, Cidade Integrada está presente apenas no Jacarezinho e na Muzema, Zona Norte e Oeste do Rio. As câmeras nos uniformes dos policiais militares serão implementadas a partir de maio em alguns batalhões da PM – nenhum deles na Baixada. 

Deixe um Comentário





dois × um =